Puro Liberal

A campanha eleitoral: primeiras reflexões

brown rock formation near body of water during daytime

por Luís Gomes // janeiro 24, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


Falar da presente campanha eleitoral é sempre difícil, em particular para mim que assisti a poucos debates, creio que não foram mais de cinco ou seis. Apesar do esforço e da atenção, pouco retive das ideias dos candidatos, talvez porque não foram abundantes em ideias e propostas.

Confesso, no entanto, que alguns debates tiveram momentos particularmente hilariantes, nomeadamente quando André Ventura relembrou o passado profissional de Catarina Martins: – “Percebe-se porque é que a Catarina Martins era actriz, é uma excelente actriz…”; – ou quando o líder do CDS acusou André Ventura de não possuir quaisquer ideias, com uma grandiloquente tirada: “um esquadrão de cavalaria em desfilada na sua cabeça não encontra uma ideia”.

Enfim, parece-me que os debates de 25 minutos foram essencialmente preenchidos com isto: palavras atiradas acintosamente com insolência e desprezo ao outro candidato, pouco mais.

Aquilo que se estranha desta campanha, e em particular dos debates, foi a total ausência da pandemia – honra seja feita ao candidato do ADN que o denunciou, carregando consigo um elefante de peluche, com o propósito de nos alertar que o elefante da sala da política nacional é a pandemia. Isto depois de dois anos em que se decretou a prisão domiciliária de cidadãos saudáveis, o uso obrigatório de máscaras, incluindo em crianças nas aulas e sem qualquer evidência científica que as justificasse, o encerramento de negócios, a restrição de movimentos, a vacinação “compulsiva”, as falências em catadupa, o desemprego, a dívida pública galopante.

red and white UNKs restaurant

Note-se, em 2020 e 2021 a dívida galopante subiu 27 mil milhões de euros, algo em torno de 14% do produto interno bruto (PIB), mas, estranhamente, não é tema. Um estranho silêncio sepulcral a este respeito parece ter sido acordado entre os candidatos do regime.

O regime é tão pândego que até nos apresenta um partido de ideologia “liberal”, de seu nome Iniciativa Liberal, “acérrimo defensor” das liberdades individuais, mas que, no início da campanha, realizou um congresso exigindo certificados e máscaras, privando vários membros de votar, obviamente segregados e discriminados, e temeroso em não fazer figura de patinho feio da narrativa oficial: esta não se pode questionar ou discutir! Falam apenas de Economia e ideias, esquecendo-se que as pessoas são a Economia. No fundo, já fazem parte do regime.

É também insólito que nenhum candidato tenha comentado o regresso da inflação, em particular em 2021, onde várias matérias-primas registaram subidas excepcionais, muito longe da “inflação oficial” de 2,8%. Vejam-se os casos da aveia, que subiu mais de 100%; do café, que subiu 100%; do gás natural, que subiu 71%; do petróleo, que subiu 64%. Estas foram as maiores valorizações. No entanto, a maioria das matérias-primas – como o leite, a madeira, o milho e o açúcar – subiu mais de 20%. Os salários e as poupanças estão a ser obliterados pela inflação, mas o regime teima em ignorar o seu impacto nesta campanha.

Talvez não se queira admitir que esta inflação resulta da impressora do Banco Central Europeu (BCE), que serve um único propósito: comprar toda a dívida pública dos Governos, para que estes continuem o regabofe de dívida e despesa pública sem fim, em particular aquela que ocorreu durante a pandemia.

Pela primeira vez na História da Humanidade, durante esta pandemia os governos ignoraram por completo a prosperidade dos negócios que lhes pagam a conta, pouco se importando com as falências e o desespero de muitos empreendedores. O dinheiro para a pletora que vive à mesa do Orçamento nunca falta, incluindo para os políticos do regime. Até agora, a torneira do BCE parece que não os abandona.

É também singular que nenhum candidato tenha denunciado o enorme esquema em pirâmide que constitui a nossa Segurança Social. Lá tivemos a eterna tirada da esquerda: não podemos colocar o dinheiro dos portugueses no casino da bolsa, quando tal há muito ocorre, e que correctamente foi denunciado pelo líder da Iniciativa Liberal no debate com António Costa.

Apesar de tudo, continua por se explicar às pessoas que o dinheiro que descontamos para a Segurança Social todos os meses apenas serve para pagar as reformas dos pensionistas, ou seja, que se trata de um sistema que depende de entradas superiores às saídas, ao melhor estilo Madoff. Em face disto, nenhum político explica como vai resolver o actual suicídio demográfico, em que jovens a entrar no mercado de trabalho são brutalmente confiscados para pagar um exército crescente de pensionistas.

Outro dos temas completamente ignorado é a nossa irrelevante soberania; hoje, somos praticamente governados por uma burocracia não eleita em Bruxelas, que legisla sobre todos os aspectos das nossas vidas, tornando o quotidiano da maioria das pequenas e médias empresas um verdadeiro inferno kafkiano.

Também ninguém comenta que a famosa bazuca da União Europeia não é mais do que um presente envenenado, pois ninguém nos esclarece de onde provém o dinheiro. Da impressora do BCE? Nem mais, da máquina de falsificar dinheiro. Com a pandemia, a União Europeia lá apareceu a emitir dívida pública em nome de todos os Estados. E quem a comprou? A impressora do BCE. A mesma que é responsável pela enorme inflação que estamos a sofrer.

person holding silver round coins

Por um lado, oferecem “a fundo perdido” uma enorme quantidade de fundos; por outro, desvalorizam o poder aquisitivo da moeda que carregamos no bolso: uma espécie de Robin dos Bosques ao contrário, que rouba aos fracos e assalariados do sector privado a favor da casta à mesa do Orçamento e dos empresários do regime. Este Robin dos Bosques também parece que anda alheado dos debates.

Para além dos insultos entre candidatos, o que mais preenche os debates? As intrigas palacianas, muito ao gosto da maioria dos jornalistas da nossa praça. Vai-se aliar ou não? Vai permitir o governo ou não? Tem a certeza que nunca irá conversar com o Chega? Garante-nos? Assegura-nos? Ainda não respondeu à minha pergunta: em que condições se vai aliar, vai exigir ministérios? Passamos horas a discutir estas tricas, em lugar de discutir os temas que interessam às populações.

Outra ideia que se repete nesta campanha é o eterno anátema sobre a direita: o perigo da “extrema-direita”. De forma insólita, tal tratamento não se aplica à “extrema-esquerda”, defensora de ideologias totalitárias, que, em nome de uma utopia – as ideias acima das pessoas –, foi responsável pelo extermínio de milhões de pessoas, pela fome e miséria de muitos povos. Aliás, nunca citam o modelo económico que lhes serve de referência. Se o fizessem, seriam certamente lugares de onde as populações fogem à primeira oportunidade! Mas ninguém os questiona sobre o que verdadeiramente defendem: são os “fofinhos” do regime. Para além da direita “mariquinhas”, também devíamos ter escutado: “a esquerda fofinha”.

Outra das vacas sagradas do regime e da campanha é a bancarroteira TAP: há anos acumula prejuízos atrás de prejuízos, milhões e milhões de euros de perdas, com a maioria dos seus colaboradores principescamente pagos – salários brutos médios anuais de 50 mil euros –, enquanto a maioria da população recebe salários mensais de mil euros. Nem mesmo o “querido líder da nossa extrema-direita” a abandona: para ele não tem importância os três ou quatro mil milhões de euros ali enterrados, quase 2% do PIB. Em paralelo, indigna-se de forma pungente com os 15 ou 20 milhões de Euros do RSI dos ciganos, 200 vezes menos!

white and red passenger plane on airport during daytime

Honra à Iniciativa Liberal e ao seu líder, a única a denunciar esta autêntica vergonha nacional. Apesar de tudo, muito falta apurar: gostaríamos de conhecer os nomes e apelidos dos fornecedores da TAP que tanto preocupam o regime, nunca revelados nos debates. Uma nota para o jornalismo de investigação neste país.

Uma das notícias positivas desta campanha: pela primeira vez, a taxa única de IRS é discutida abertamente durante a campanha. A Iniciativa Liberal e o Chega propõem modelos semelhantes. Esperemos que esta reforma fiscal seja rapidamente implementada, pois temos que dar oportunidades aos jovens de ascender na vida através do trabalho, em lugar de os obrigar a emigrar.

person standing inside cave during daytime

Apesar das inúmeras vantagens de tal modelo – em particular, tornar-nos mais competitivos –, ambos os partidos não nos explicam as despesas públicas que irão cortar para compensar tal redução de receitas. Para eles, tudo se resolve pelo milagroso crescimento económico, que tudo paga. Tocar no monstro: nem pensar!

Pela negativa: o eterno o Bloco Central. Empurrados pelas sondagens e pela imprensa, propõe-se mais do mesmo: agora é que vai ser! Ao longo de décadas, estes partidos foram responsáveis por três bancarrotas, estando agora em preparação a quarta. Aquele que não está agora no poder, o PSD, utiliza sempre a mesma estratégia: vamos aplicar a mesma receita, mas, desta vez, com maior “rigor e honestidade”, sem dar emprego a “famílias”, atendendo que o préstito de apaniguados atrás de mim é “mais competente”. Aparentemente, a estratégia resulta: parece que os portugueses continuam a acreditar que agora é que vai ser!

O político mais perigoso e plangente desta campanha talvez seja Rui Rio. O PSD, a par com o Chega, há cerca de uns meses propôs uma alteração à Constituição, destacando-se a possibilidade de decretar a prisão domiciliária de alguém sem uma decisão judicial, ou seja, um simples funcionário administrativo, em nome da “Saúde Pública”, passaria a ordenar a prisão domiciliária sem passar por um juiz. Podemos imaginar a total arbitrariedade e autoritarismo que tal modificação poderia acarretar para as nossas vidas.

Rui Rio ainda se destacou com outra pérola: com enorme protérvia, defendeu medidas distintas para não-vacinados. A discriminação de uma minoria parece ser a sua maior aspiração. Talvez um dia, sem rebuço, o vejamos propor a estrela de David no braço dos não-vacinados. Aquilo que nos conforta é que o regime solta sempre uns encómios a seu favor: é um homem de direita!

Gestor (Faculdade de Economia de Coimbra) e empresário


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Ficámos a saber, pelas notícias: “O lançamento da nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa”, titula o JN e com razão.  São ...