Recensão Eleitoral

O debate das rádios e o desespero dos guiões

two black cats looking outside a glass window

por Tiago Franco // janeiro 24, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


Escapou-me o debate das rádios (Antena 1, TSF e RR) e, agora que o ouvi, compreendo que dei duas horas da minha vida para ver uma sequela de categoria B. Lembrei-me da minha meninice, para usar uma expressão da minha avó alentejana, e daquela tarde na Academia Almadense a torcer pelo Ivan Drago, iludido pela ingenuidade da tenra idade e das mensagens políticas formatadas em guiões.

Depois de assistir a mais de 30 debates, fiquei com a sensação de que há muito tempo nada de novo nos é dito. A repetição do discurso e a fuga às questões colocadas pelos jornalistas são as principais armas de retórica.

Mesmo sabendo que cada partido tem uma mensagem para passar, torna-se insuportável, ao fim de dias e dias de tempo de antena, ouvir intervenções que começam com um “vou já responder à sua pergunta, mas antes permita-me que…”.

Deste lado apetece-me gritar “epá, responde só à pergunta!!!”.

Já são tão raras as ideias válidas partilhadas e discutidas que, qualquer deriva no discurso, arrisca-se a tornar miserável o que já era pobre.

Ventura e Rio não apareceram. O primeiro porque, provavelmente, depois da catástrofe que foram as suas prestações nas televisões, não quis voltar a correr riscos. Isto numa altura em que as sondagens mostram o Chega em perda, mas ainda a segurar o terceiro lugar.

macro photography of silver and black studio microphone condenser

Já Rui Rio, imagino que justifique a ausência com as maravilhas que a campanha de rua está a fazer pelo PSD. Recuperou grande parte da desvantagem que trazia dos debates e já há no ar um cheiro a poder, basta ver como a oposição interna se vai chegando ao líder.

Se uma crise económica transforma um liberal num socialista, já a distribuição de lugares na governação transforma a oposição interna no Coro de Santo Amaro de Oeiras.

O Óscar “como ajudar Rui Rio em 10 lições” segue destacado nas mãos de Catarina Martins. Eu, confesso eleitor de esquerda, já não consigo ouvir aquele discurso. O tom de voz, a pontuação, o ritmo ensaiado, a repetição de ataques ao PS, deixando campo aberto à direita.

Depois de 20 dias neste registo, algum dos estrategas da campanha bloquista deve ter olhado para as sondagens e percebido que o BE se prepara para dar o maior trambolhão no lado esquerdo do espectro político. Assim, ontem, num comício, a líder do BE abriu a porta para se sentar à mesa com o PS e discutir propostas de governação com António Costa. Isto, note-se, três dias depois de o ter rasgado na rádio.

António Costa continua a disparar para todo o lado e a recusar assumir pontes de governação. Vai aguentando os ataques e, tirando o PAN (que provavelmente perderá metade do grupo parlamentar e não será grande ajuda), parece apostado em não revelar entendimentos futuros. Custa-me um pouco concordar com João Cotrim Figueiredo, mas, pelo carácter específico destas eleições, era bom que cada um de nós soubesse que destino pode ter o seu voto.

Neste momento António Costa joga com tripla. Entendimento com maioria de esquerda, bloco central ou um novo Queijo Limiano, com acordos pontuais.

Rui Rio ensaia uma solução parecida, mas com aquele embrulho da maioria de direita dependente do Chega.

Dias difíceis para os eleitores dos dois maiores partidos portugueses.

Regresso amanhã, com o obituário do CDS, se, obviamente, não voltar a ver fotografias do Ventura com um camuflado do Exército.

Engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)


Nono episódio da Recensão Eleitoral (24/01/2022) – O debate das rádios e o desespero dos guiões


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Ficámos a saber, pelas notícias: “O lançamento da nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa”, titula o JN e com razão.  São ...