Visto de fora

Ventos de mudança

person holding camera lens

por Tiago Franco // fevereiro 27, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


Acompanhar e perceber o confronto entre a Rússia e a Ucrânia é bem mais difícil do que esforço, a todos exigido, naqueles “anos felizes” em que éramos apenas especialistas em Saúde Pública.

Agora estamos em modo Enciclopédia. Historiadores de manhã para entendermos o relato dos acordos de Lisboa (durante a crise da Bósnia), feitos pelo major-general Raul Cunha. Daí passamos logo a Especialistas Militares, porque descobrimos que major-general é um posto.

À tarde ouvimos o Rogeiro e ficamos com Phd em Logística de Combate.

Segue-se o Monjardino com quatro hipóteses futuras para as opções de Putin no Kremlin. Concluímos a tese de mestrado em Ciência Política.

Chega então o Zé Gomes da SIC, e dá-nos uma esfrega com as sanções e a “bomba nuclear” do Swift. É a pós-graduação em Economia.

Quando chega a hora de dormir, já nem a tabuada se consegue processar. Nestas intermináveis horas de directos, com muitas repetições, e por vezes perguntas idiotas, tenho visto também bom serviço (público e não só), excelentes comentadores que trazem alguma luz à contra-informação, e repórteres no local que acrescentam algo à informação.

blue and yellow striped country flag

Pedro Mourinho, agora com matéria, tem sido um exemplo de sobriedade e tranquilidade na transmissão de informação. Já José Rodrigues dos Santos pula de angústia, em exclamações de excitação, como se estivesse em trabalho de prospecção para o próximo livro sobre campos de concentração.

Algo parece ter mudado nas últimas 48 horas. Pensava-se que a capital cairia anteontem noite, mas a resistência ucraniana mostrou-se organizada. O presidente Zelinsky, que incentivou civis a pegarem em armas e cocktails molotov, parece ter ganhado uma nova aura de líder, depois de ter recusado as ofertas de exílio oferecidas pelos Estados Unidos e Letónia. Disse que não queria boleia, mas sim armas.

Zelinsky anunciou que a Turquia iria bloquear o acesso ao Mar Negro, o que não se verificou, mas a Ucrânia conseguiu mobilizar a atenção mundial e cocar Putin como um pária. O líder russo já quer terminar as invasões, que não estão a ser um passeio para as suas tropas, e quer encetar negociações. Putin mostra que não quer uma guerra longa, mas tal pode não suceder. Alemanha enviou mais armas para ajudar a resistência ucraniana, tal como os Estados Unidos.

Contudo, por agora são apenas sanções contra os russos, e armas para a Ucrânia resistir. Os ucranianos, na verdade, continuam sozinhos, mas parecem manter a fé. Resta saber até quando vão aguentar. Suecos e finlandeses entram agora no radar e começam também a enviar dinheiro para o combate à Rússia. A Bielorrússia cedeu o seu território sem pensar que, no futuro, podem eles ser a próxima Ucrânia.

Que amanhecer teremos daqui a umas horas?

Engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.