VISTO DE FORA

O alfacinha Carlitos dos Popós

person holding camera lens

por Tiago Franco // maio 26, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


Durante o “Vietname benfiquista”, um massacre ocorrido entre 1995 e 2003, perante mais um lastimável espectáculo no velhinho Estádio da luz, um sofredor na fila da frente dizia: “a culpa até nem é do Manel Zé, nem é do Manel Zé!”.

O Anel, aquele que era Terceiro – e, por vezes, nem nesse lugar se ficou –, nunca falhou, concordava em surdina: que mais poderia fazer o pobre Manel Zé com Akwá, King, Marcelo, Paredão, Tahar e Pringle? De modo que nós escolhemos sofrer, e ele, o Manel Zé, começou a caminhada que o levaria a Faraó, aos ombros dos Shikabalas desta vida.

brown woven basket on black bicycle

De Manel Zé a Carlos Moedas vai um saltinho quase imperceptível. Como diria outro poeta da nossa praça, “andarei por aí”, e, como ele, resolvi eu ver o que traria à mais bela cidade portuguesa o nosso Charles Coins.

Escrevi sobre isso, na altura devida, mas lembro-me, recorrendo à minha péssima memória, que Carlitos Plata tinha dois grandes trunfos eleitorais. Primeiro: informou o Mundo que estava habituado a levantar-se para trabalhar todos os dias e chegar a horas ao escritório, procurando, desta forma, dizer com um vocabulário mais elaborado que “não era político”. Segundo: talvez de forma menos original, mas consideravelmente mais estúpido, propunha voltar a povoar a cidade com carros.

woman in white long sleeve shirt riding on black bicycle on road during daytime

Naquilo que foi essencialmente um debate de totós, Medina e Moedas mostraram que era mais o que os unia do que os separava. Contudo, nesta história da “cidade verde”, Medina era consideravelmente mais próximo do século actual.

Enquanto o novo Ronaldo das Finanças queria mais gente a pedalar, Charles Monnaie tinha ideias mirabolantes sobre como encher Lisboa de parques de estacionamento, na cintura da cidade. Esperava assim que as pessoas se aventurassem no caos dos transportes públicos. Ao mesmo tempo anunciava a abertura de mais avenidas, a custo das ciclovias, reduzindo o espaço para os lisboetas que já se deslocavam de bicicleta, e contribuíam, de facto, para uma redução do trânsito.

Existem dois tipos de pessoas que acham que uma capital europeia não deve ter bicicletas: aquelas não conhecem nenhuma, e aqueloutros que só conhecem Lisboa.

Estávamos aos poucos a querer ser uma Berlim do Sul – sem aquela coisa chata dos muros –, mas felizmente o Karl Mint deu ouvidos aos gordos (isto conta como body shaming?), e voltamos ao nosso lugar. De atraso civilizacional, de mais poluição, de mais tempo desperdiçado, de menor qualidade de vida. Mas aquele onde nos sentimos confortáveis, honra nos seja feita.

Pensar que mais carros em Lisboa ajudam na melhoria das deslocações é um pouco como acreditar que mais sexo oral pode combater o mau hálito.

Enquanto toda a Europa, de norte a sul, de este a oeste, procura reduzir o trânsito automóvel nos centros urbanos, temos a capital portuguesa a apostar em mais carros como forma de desenvolvimento.

Eu já nem falo nos habituais países escandinavos, ilhas britânicas ou centro da Europa onde a bicicleta é um meio de transporte de excelência.

Tweet de Carlos Moedas no passado dia 24 de Maio.

Digo apenas para irem aqui ao lado, de avião ou de carro, já que comboio também não existe, e vejam o que se faz nas principais cidades espanholas. Como é que é possível gastarmos rios de dinheiro nas autarquias a dar um passo para a frente e, no mandato seguinte, dois para trás?

Tal como nos idos do Manel Zé, a culpa agora também não é do Carlitos dos Popós. É vossa, que votaram nele, mesmo sabendo que o programa eleitoral consistia em fazer Lisboa voltar aos tempos do betão.

Aproveitem, pois, a viagem, e não se esqueçam: apertem os cintos. Quando quiserem ver o Primeiro Mundo, esqueçam o Uber, chamem antes a TAP.

Engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.