VISTO DE FORA

O fado dos rankings

person holding camera lens

por Tiago Franco // junho 10, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


Adoramos um ranking que fale mal de nós. É a altura perfeita para nos deprimirmos um pouco mais e praticarmos o desporto nacional de lançamento da culpa. Se vem “lá de fora”, então deve ser verdade.

Ainda me lembro dos gritos moralistas do “comprámos muitos LCDs e carros a crédito” quando o FMI nos assegurava que a nossa Economia valia “lixo”, e isto porque, durante anos, vivêramos acima das nossas possibilidades.

Entretanto, o Air Help – um site alemão que vive da gestão das queixas de passageiros em trânsito aéreo – publicou um ranking onde o aeroporto de Lisboa surge classificado como o pior aeroporto do Mundo. Alguma imprensa portuguesa fez o alarido catastrófico do costume, e nós, naquela falta de orgulho tão nosso, lá fomos em coro dizer que sim, que obviamente a Portela era o pior aeroporto do Mundo.

man in black jacket standing beside white van during daytime

Este tipo de “estudos” – o seu valor e a forma como a discussão fica pelas gordas – é algo que sempre me irritou. Já agora, também em sentido inverso, me irrito quando, ano sim, ano não, Lisboa ou Porto ganham os títulos turísticos dos “melhores destinos do Mundo”. Seja lá isso o que for…

Nós somos o povo que descobriu os caminhos marítimos para o Mundo, mas que, em simultâneo, rebentamos de orgulho com o cão-de-água português dos Obama.

Curiosamente, ninguém discutiu esse ranking para lá de Lisboa. Eu fiquei curioso e fui cavar mais um bocadinho.

Quando Lisboa é classificada como a pior em qualquer coisa do Mundo, sabemos imediatamente que o problema deixa de estar na cidade e passa a estar na classificação.

Nada, absolutamente nada em Lisboa, nem sequer as obras deixadas pelos pombos nas estátuas, são as piores do Mundo. Quem vos disser o contrário é porque nunca saiu do Prior Velho.

Há desde logo uma curiosidade interessante. Nos “20 piores aeroportos do Mundo” estão, para além de Lisboa, também Dubai, Porto, Frankfurt, Paris (dois aeroportos), Londres (dois aeroportos), Edimburgo, Dusseldorf, Newark, Manchester e Malta.

white biplane

Conheço-os quase todos, e por isso vos digo: para aeroportos como Frankfurt, Porto, Dubai ou Gatwick estarem sequer perto de uma cauda seja do que for, o standard mundial teria que ser uma ficção qualquer do Stanley Kubrick com muitos móveis retro e lacados brancos.

Quando reparei neste top 20, confesso que a credibilidade deste ranking estava para a aviação como o Miguel Relvas para a Academia.

Fui então ver a metodologia utilizada no “estudo” da Air Help. Sim, admito, há dias em que tenho muito tempo livre e uma vida triste.

Portanto, verifiquei que eram excluídos todos os aeroportos onde não fosse possível recolher informação, e eram incluídos apenas os “mais conhecidos e mais utilizados”. No “ranking mundial” estavam assim, afinal, apenas 132 aeroportos dos cerca de 42 mil existentes no planeta. Atenção: dados da CIA, só para não pensarem que os fui contar ao Google Maps.

Ou seja, a Air Help recolheu informação em 0,3% dos aeroportos e fizeram um ranking mundial. Foi isto que deu as parangonas e a discussão em Portugal. O equivalente a um ranking de medalhas numas Olimpíadas disputada apenas por um país.

Além disso, 80% dos critérios de avaliação referiam-se a atrasos nos voos e ao tempo para passar a segurança. Portanto, aeroportos com mais tráfego e menos pistas, tinham maior possibilidade de irem para a cauda do “Mundo”.

high-angle view of city

Dizia um leitor qual alguma piada: “a sanita é um buraco no chão? Não? Então não é o pior aeroporto do Mundo”. Fiquei curioso de saber por onde andou ele a voar.

Para que serve então, para lá do clickbait e de alguns ódios virtuais, este estudo da Air Help? Para nada. É a Portela o pior aeroporto do Mundo? Não, nem por sombras, por mais atrasos que a única pista disponível nos traga.

Assim sendo, como corolário, porque discuto um estudo sem relevância em tom de irritação?

Também não sei. Mas gostava.

Engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.