PELOTA EM PELOTA

O poder e a fé na santinha

black net

por Tiago Franco // dezembro 1, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


A terceira ronda da fase de grupos deste Mundial tem sido um regalo no que toca a surpresas. Hoje foi a vez da Bélgica se despedir, depois de Lukaku ter falhado um número suficiente de golos para, amanhã, ser novamente referido na imprensa do seu país como um jogador de ascendência congolesa. Extraordinário foi o apuramento marroquino num grupo que contava com um finalista e um semi-finalista do último Mundial. A Croácia e a Bélgica são agora duas selecções envelhecidas, jogaram muito menos do que seria expectável e, no fim, saiu a fava aos belgas. 

No jogo que importava a Portugal, o Japão venceu de forma surpreendente a Espanha que, já em tempo de descontos, não parecia muito interessada em correr atrás do prejuízo. A “prenda” pela passagem japonesa será um confronto com a Croácia nos oitavos e, provavelmente, o Brasil nos quartos-de-final. Já Espanha, com o seu segundo lugar, não só despachou a Alemanha como garantiu um caminho para a meia-final com Marrocos e Portugal (esperamos nós) pela frente. Assim de repente, parece-me o melhor lugar do grupo.

white and black ball on white metal frame

Entretanto, eu imaginei Fernando Santos ajoelhado em cima de pinhas, com velas em redor e um conjunto de rezas poderosíssimas, durante os 90 minutos dos jogos de Espanha e da Alemanha. Perto dos 70 minutos, a conjugação de resultados eliminava Espanha e Alemanha: O Japão e a Costa Rica estavam então em vantagem por 2-1. Tal era o poder da santinha… Não deu até ao fim, mas a santinha tem poderes.

Com os resultados de hoje, Portugal deixou de ter um caminho simples pela frente. Depois dos oitavos, onde se espera que defronte Suíça ou Sérvia, selecções com quem perdeu nos últimos anos por acaso, deve cruzar-se com Espanha e França.

Isto, claro, se a lógica do mais forte imperar e contrariar um pouco as montanhas-russas da fase de grupos.

person holding gold trophy

Por esta altura, já não sei se é melhor acabar em primeiro ou segundo. No caso do segundo lugar, do lado de lá estará o Brasil e uma Argentina que joga muito pouco. Do lado do primeiro lugar no grupo, estarão Espanha, França e Inglaterra. Os espanhóis fizeram contas conosco e deixaram um presente amargo no dia da Restauração. Se a santinha disser ao Fernando Santos que eliminamos o Brasil nos oitavos, a partir daí é passear até à final, eu aposto no salto de fé.

Por fim, aguardo com expectativa para ver se o André Silva entra no 11 amanhã. Se sim, encararei como um sinal de operação em marcha. Um “depois do adeus” da fé inabalável nas Arábias e a devolução do presente envenenado a Luiz Enrique.

Tiago Franco é engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.