PELOTA EM PELOTA

A boca, os penalties e o atropelamento

black net

por Tiago Franco // dezembro 5, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes

O Japão, depois de vencer as fortíssimas selecções da Alemanha e de Espanha, voltou a surpreender, desta vez frente aos croatas. Grande atitude e garra dos samurais que mostraram uma vontade incrível e um verdadeiro espírito de equipa. A Croácia, sempre lenta de processos neste Mundial, fez-me acreditar numa surpresa nos quartos-de-final. Mas valeu a experiência croata e, devagarinho, não só empataram como controlaram o jogo até obrigarem à realização do primeiro prolongamento da competição.

O ritmo nesta parte foi tão lento que imaginei que todos se sentissem confortáveis com penaltis, a decisão mais angustiante na minha opinião. Os croatas são especialistas na matéria já que este seria a sua quarta vez a decidir num Mundial depois dos 90 minutos sem nunca terem perdido. Os japoneses, bom, tendo em conta a péssima forma com que bateram as grandes penalidades, talvez devessem ter apostado algo mais enquanto a bola correu.

Ainda assim uma boa prestação dos nipónicos e a dúvida de, nas pernas de um Modric, com 37 anos, saber até onde poderá chegar esta Croácia?

Já no jogo que opunha o Brasil aos comandados de Paulo Bento a história foi a de um crime. Atropelamento e fuga, com o 3-0 a chegar antes dos 30 minutos. Joga muito este Brasil, e Tite, ao fim de alguns anos, consegue meter a equipa a fazer aquilo para que nasceu: atacar.

Perdi a conta ao número de vezes que os brasileiros chegavam à área coreana, com quatro ou cinco jogadores, num carrossel imparável de futebol a um ou dois toques. Paulo Bento ainda tentou recuar as linhas e defender com mais gente, mas a fragilidade desta Coreia, a equipa mais fraca do grupo de Portugal, ficou exposta a cada cavalgada de Neymar, Vinicius, Raphinha e Richarlison.

Joga mesmo muito este Brasil. Com França e Inglaterra, o Brasil é uma selecção que apresenta qualidade e regularidade, desde o início da competição. Se tivesse que colocar dinheiro numa aposta para a final, diria que França e Brasil são os claros favoritos. Até os caminhos ajudam.

No reino de Marcelo, as novidades não são estridentes, e não chegam bem a ser novidades. Afinal, Fernando lá viu as imagens e percebeu que as bocas eram mesmo para ele. Ficou chateado e, ainda por cima, ninguém na FPF lhe passou o guião oficial antes da conferência de imprensa. Já o Mundo inteiro sabe que a marrada era para o nosso engenheiro e o escriba de Fernando Gomes, nos escritórios da FPF, ainda está a escrever a versão 1.0 da desculpa oficial. Caros, já não estamos em Saltillo. Somos profissionais disto. Há que aprimorar essa coordenação no departamento das tangas.

Santos disse que não sabe se Ronaldo será titular amanhã, ou por outras palavras, quando um f***-se tem mais poder do que 10 golos falhados. Pragmatismo luso é todo um novelo. As capas dos jornais para esta quarta-feira já estão preparadas e a minha aposta vai para “relógio suíço sem corda”. Agora, lembrai-vos, nem um passe para trás! A não ser que venha do William. 

Tiago Franco é engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.