Recensão: Letra miudinha

50 sombras em tom Disney

por Maria Carneiro // dezembro 7, 2022


Categoria: Cultura

minuto/s restantes

Título

Letra miudinha

Autora

LAUREN ASHER (tradução: Ana Cunha Ribeiro)

Editora (Edição)

Marcador (Outubro de 2022)

Cotação

6/20

Recensão

Tudo neste livro é miudinho, até o enredo: quando o avô morre, deixa a cada um dos netos uma participação numa empresa que vale milhares de milhões de dólares.

No entanto, para poderem tomar posse da herança, cada um tem de cumprir algumas condições. Rowan, um dos herdeiros terá de reformular e apresentar um plano de recuperação para o parque de diversões estilo Disneyland, chamado Dreamland. Zahra é funcionária desse parque, e sempre sonhou fazer parte da equipa dos Criadores – as pessoas que imaginam novas atrações para o parque e as põem depois em prática.

Num golpe de sorte, que na altura pareceu azar, Zahra, num momento de embriaguez, submete uma crítica a uma das atrações mais populares de Dreamland. Essa crítica chega às mãos de Rowan, que vê em Zahra imenso potencial como Criadora, promovendo-a. A partir daí, tudo muda.

É também miudinho o estilo da autora, cheio de lugares-comuns e vulgaridades: “não digo nada e seguro-me ao apoio de braços. É-me oferecida uma visão muito próxima do seu traseiro, mal contido pela sua indumentária não regulamentar de calças de ganga e t-shirt. (…) ela roça contra as minhas pernas compridas com a graciosidade de uma girafa recém-nascida.” “Ela encolhe-se ao mesmo tempo que pega finalmente no seu caderno e se atira para trás para ficar sentada. O seu skate Penny escorrega-lhe do colo e aterra em cima dos meus sapatos de dois mil dólares.”

Os vários capítulos vão alternando de narrador: ou Rowan ou Zahra. Ambos relatam os mesmos acontecimentos e vão avançando, na narrativa, com essas contribuições nem sempre coincidentes. A autora tenta dar um tom de romance erótico que, na maior parte das vezes, resvala completamente e faz-nos perder o interesse no livro.

Pelo que sei, estamos perante um best-seller. É um sucesso no Tik Tok. Percebe-se. Trata-se, de facto, de um romance para leitores muito pouco exigentes, e é um daqueles livros descartáveis que não deixam saudade, e que não chegam sequer a entreter. A saga, pelos vistos, vai continuar, e este é apenas o primeiro volume que conta a história de um dos herdeiros: Dreamland Billionaires, Book 1. Seguir-se-ão outros. A ignorar. 

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Quase sempre a coloração do fantástico, em Fialho de Almeida (1857-1911), manifesta-se em regime realista, sob duas formas hiperbólicas dos traços ...