Provas de censura no Twitter “podem ter sido apagadas”

#TwitterFiles: Antigo funcionário do FBI, despedido por Elon Musk, estaria a condicionar libertação de documentos comprometedores

blue and white heart illustration

por Elisabete Tavares // dezembro 8, 2022


Categoria: Actual

minuto/s restantes

A divulgação de novos dados dos denominados #TwitterFiles sofreu um atraso inesperado, com a descoberta de que um antigo funcionário do FBI, James Baker, esteve envolvido no processo de selecção de documentos a tornar públicos, uma promessa de Elon Musk. Este advogado, contratado pela anterior administração do Twitter em 2020, acabou por ser despedido do Twitter, mas o novo dono desta rede social teme que haja documentos comprometedores que tenham sido apagados.


Elon Musk, o novo dono do Twitter, garantiu hoje que continuará a divulgação de documentos internos desta rede social que provam actos de censura durante a anterior gestão, que visavam esconder informação comprometedora e influenciar a opinião pública.

Esta é a mais recente reacção do multimilionário sobre os já denominados Twitter Files, que esta semana deveriam ter tido novas revelações, que foram suspensas após se descobrir que um dos membros da equipa responsável pela seleccção dos documentos, a entregar aos jornalistas, era o advogado James Baker, um antigo funcionário do FBI (Federal Bureau of Investigation), contratado em 2020 pela anterior administração da rede social.

Elon Musk comprou o Twitter em Outubro passado por 44 mil milhões de dólares e prometeu revelar antigas práticas de censura desta rede social.

O envolvimento de James Baker foi denunciado por Matt Taibbi, o jornalista independente, aparentemente escolhido por Musk, para revelar como, durante a campanha para as últimas eleições presidenciais nos Estados Unidos, o Twitter executou um pedido da equipa de Joe Biden para censurar a divulgação de notícias sobre o famoso escândalo do portátil de Hunter Biden, filho do atual presidente norte-americano, e as suas ligações na Ucrânia.

Taibbi revelou anteontem num tweet que “o processo para a produção dos ‘TwitterFiles’ envolveu a entrega [de documentos] a dois jornalistas [Bari Weiss e o próprio Taibbi], através de um advogado próximo da nova administração”, acrescentando que “depois do lote inicial, as coisas [novas entregas] tornaram-se complicadas”.

Bari Weiss – uma jornalista independente que foi editora do The New York Times entre 2017 e 2020, resignando através de uma carta muito crítica às práticas dos media mainstream – foi quem descobriu a participação de James Baker. Taibbi revelou num tweet que Weiss teve uma reacção peculiar: “O meu maxilar bateu no chão”.

O jornalista independente Matt Taibbi revelou a primeira série dos chamados Twitter Files.

De facto, segundo revelações de Matt Taibbi, o advogado James Baker “é uma figura controversa”, é “uma “espécie de Zelig de controvérsias do FBI, que remontam a 2016, desde o Dossier Steele até à confusão do Alfa-Server”. Taibbi lembrou ainda que Baker “se demitiu [do FBI] em 2018 após uma investigação sobre fugas de informação para a imprensa”.

Saliente-se que Baker trabalhou no FBI quando o diretor era James Comey, tendo tido um papel central nas revelações sobre o alegado conluio em 2016 entre a campanha presidencial de Trump e a Rússia, e que vieram a ser consideradas falsas. Baker trabalhou no FBI com operacionais como Peter Strzok e Lisa Page que assumiram uma postura anti-Trump.

O advogado James Baker, antigo funcionário do FBI, e contratado pelo Twitter em 2020, estaria a condicionar a divulgação de documentos prometidos por Ellon Musk. Foi entretanto demitido.

Elon Musk, aparentemente ignorava a presença de James Baker na equipa que estava responsável pela entrega dos documentos aos jornalistas. Anteontem, Musk disse num tweet que apenas soubera da participação daquele antigo funcionário do FBI no domingo passado, tendo depois acrescentado que o demitiu.

Integrado num seu tweet, em que informava ser necessário mais algum tempo para novas revelações, e em resposta a um comentário do ex-presidente executivo do Twitter, Jack Dorsey, que apelava para serem revelados todos os documentos “sem filtro”, Elon Musk disse que “os dados mais importantes foram escondidos”, até mesmo a Dorsey, e que temia que “alguns podem ter sido apagados”. E garantia que tudo o que fosse encontrado seria revelado na íntegra.

A primeira série dos Twitter Files puseram a nu a forma como a equipa do então candidato presidencial Joe Biden articulou com o Twitter a censura e supressão de informação sobre o famoso caso dos conteúdos do portátil do filho do actual presidente dos Estados Unidos, Hunter Biden, que mostravam as suas ligações comprometedoras à Ucrânia.

Nesta fase, as revelações foram realizadas via conta do Twitter de Matt Taibbi, através de uma série de 36 tweets, também traduzidos para português e publicados no PÁGINA UM. A segunda fase da divulgação de informação vai ser agora feita pela jornalista Bari Weiss.

A divulgação do despedimento de Baker e do seu envolvimento na selecção de documentos a divulgar ao público pelo Twitter atraiu alguma atenção da imprensa mainstream, que tem estado largamente a recusar publicar notícias sobre os Twitter Files. Na imprensa internacional, entre as excepções estão o The New York Post, a CNN Internacional e a Forbes.

Troca de comentários entre Jack Dorsey, ex-presidente executivo do Twitter, e Elon Musk sobre a revelação dos documentos sobre antigas práticas de censura desta rede social.

Contudo, após a demissão de James Baker a atenção mediática da imprensa mainstream internacional tem aumentado, mas não na imprensa nacional, que continua a ignorar um caso com repercussões políticas incalculáveis. Em todo o caso, observa-se um grande incómodo no sector dos media por estas revelações estarem a ser feitas por jornalistas independentes. Alguns jornalistas e responsáveis de media mainstream têm mesmo atacado Taibbi, com uma grande parte a repetir as mesmas expressões, acusando-o de estar a prestar um serviço de relações públicas a Musk.

Até agora, a documentação interna do Twitter já revelada mostra uma maior inclinação de antigos responsáveis e funcionários da rede social para proteger o Partido Democrata nos Estados Unidos, censurando contas de personalidades com visões mais conservadoras. Essa postura da rede social estaria a ser escondida até do antigo CEO, Jack Dorsey, que aparentemente desconhecia os actos de censura cometidos sobre as notícias verídicas em relação a Hunter Biden.

Elon Musk veio também já levantar a forte suspeita de que as práticas antigas do Twitter poderão ter favorecido a esquerda nas eleições no Brasil, embora até agora não tenha apresentado provas.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.