Tinta de Bisturi

Para uma ética das reivindicações

stainless steel scissor

por Diogo Cabrita // janeiro 22, 2023


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


Lutar sempre por dar e receber.

Consciencializar que o dinheiro dos patrões não cresce nas árvores.

Solidificar que por cada preguiçoso há trabalho que sobra para quem é diligente.

Interiorizar que todos terem dinheiro é bom para a sociedade.

Há um mundo ideal em que todos se dedicam ao que fazem bem.

selective focus photography of woman wearing black cold-shoulder shirt using megaphone during daytime

Há vantagens em que o salário torne inútil os apoios sociais.

É verdade que todos fazemos falta, mas uns mais que outros.

É indesculpável retirar lucros do boicote.

Aos horários cumprem funções.

Mas se pagarmos as funções podemos eliminar os horários.

Desejem-se focos diferentes, como semanas de menos dias.

Exijam-se condições de bem-estar, para lá das remuneratórias.

Inclua-se SNS ; Justiça, Educação nas listas com exigências.

Acabar com dirigentes sindicais que se perpetuam como mármores.

Perceber que aos salários correspondem tarefas.

woman in black tank top and blue denim jeans holding white camera

Perceber que às tarefas são inerentes riscos.

Colocar nas vantagens dos trabalhadores os seguros de trabalho.

O despedimento é essencial à avaliação, é uma arma dirigente.

Perpetuar um sinuoso, aldrabão, incompetente, promove revolta.

A ética das reivindicações obriga a reclamações diferentes.

A subtileza e a sofisticação das exigências é uma reviravolta.

O trabalhador deve receber por funções que cumpre num tempo.

Podemos negociar trabalhos com orçamentos.

Num orçamento tem de estar um tempo previsto.

Aos que servem deve ser dada a possibilidade de mandar.

Os mecanismos de crédito são matéria para os cadernos laborais.

As rendas de casa podem ser uma alínea mais nas exigências.

Todos devem pagar impostos para usufruir dos bens de todos.

Todos devem observar o princípio de pagar e exigir pagamentos.

O Estado é um bem colectivo que pode ser vigiado e melhorado.

Um bem colectivo é nosso. Mais rápido, mais eficiente, mais barato.

Nas exigências deve estar sempre a da cobrança dos impostos.

Patrões e trabalhadores devem ter contas transparentes.

Todos devem pagar o que é devido e todos devem ser fiscalizados.

Os impostos nunca devem passar os vinte e oito por cento.

woman standing holding umbrella and white megaphone during daytime

Cobrar os lucros é devido. Cumprir com o tributo é exigido.

Nos salários deve haver coerência.

Nos ordenados têm de existir progressões.

O salário mínimo tem de ser maior que a mais alta prestação social.

Tem de ser desejável trabalhar. Tem de ser importante o desempenho e a dedicação.  

Diogo Cabrita é médico


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.