Recensão: Aprenda a infuenciar pessoas

Um manual de influência e persuasão

por Ana Luísa Pereira // agosto 2, 2022


Categoria: Cultura

minuto/s restantes

Título

Aprenda a influenciar pessoas

Autor

JOÃO FERNANDO MARTINS

Editora (Edição)

Manuscrito (Maio de 2022)

Editora (Edição)

14/20

Recensão

Psicólogo de formação, com licenciatura no ISMAI, em 2008, e especialista em Análise Comportamental, João Fernando Martins tem dedicado a sua vida ao estudo – continua a sua formação como doutorando na Universidade de Santiago de Compostela, depois do mestrado em Medicina Legal no Instituto Abel Salazar da Universidade do Porto (ICBAS).

Não é estranho, portanto, que a sua vontade em escrever e partilhar a sua experiência como psicólogo e como formador e especialista (implicando actualização e estudo constantes) tenha vindo à tona aquando dos confinamentos resultantes da situação pandémica provocada pela covid-19.

Não foi o único a aproveitar esse recolhimento, conforme outros livros aqui comentados, como este e este. É possível que muitos outros estejam prestes a surgir.

Quanto ao livro agora publicado pela Manuscrito, Aprenda a influenciar pessoas, está enquadrado nas prateleiras de auto-ajuda em diversas livrarias, sendo, com efeito, mais um manual com ferramentas e estratégias para melhor lidar com as pessoas.

Os contextos são diversos, como variadas são as dimensões em que nos movemos no palco da vida, como diria Erving Goffman. O representante do interacionismo simbólico foi um dos primeiros estudiosos da interação social, comparando-a com papéis interpretados consoante o palco em que actuamos.

Dizemos mais um manual, dado que este livro está na mesma linha de outro recentemente recenseado no PÁGINA UM – Aprenda a ser carismático –, ainda que tentando ser mais específico. Neste que tratamos, o autor dedica-se, sobretudo, às técnicas de persuasão, enquanto técnicas que podem ser aprendidas, como um papel que pode ser estudado por um actor.

Para isso, contextualiza e esclarece o leitor quanto às dimensões implicadas na comunicação, designadamente, a sua componente fisiológica, psicológica, espácio-temporal, não verbal e verbal. A sua divisão tem a ver com a necessidade que temos em categorizar e classificar, para mais rapidamente apreendermos a realidade. O que, na verdade, está associado ao modo como impressionamos as pessoas num primeiro momento (ou somos impressionados). Razão pela qual este e outros livros têm tido algum sucesso. Numa sociedade tão preocupada com as aparências, o impacto da primeira impressão ganha cada vez mais importância.

Por essa razão, este é um livro interessante para aqueles que têm curiosidade por temas como o modo como os gestos e posturas corporais podem auxiliar, ou, pelo contrário, dificultar ou mesmo impedir primeiros contactos frente-a-frente. Também pode ser bem acolhido pelas pessoas que querem aprender a influenciar, persuadindo o seu público-alvo a obter os seus produtos e/ou serviços.

A redacção é simples e acessível (ainda que a revisão pudesse ser mais cuidada quanto à repetição de determinados termos), podendo, no entanto, ser mais sucinta em alguns momentos, nomeadamente em finais de capítulo, enunciando de forma mais sistematizada as “Ideias a reter”.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Sem pretendermos fazer qualquer aproximação específica, que seria abusiva para lá de toda a semelhança que existe entre todas as manifestações ...