COISAS & CAUSAS

Um ‘requiem’ pelo jornalismo de investigação?

black Fayorit typewriter with printer paper

por José Ramos e Ramos // agosto 18, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


As caras da grande investigação jornalística estão a desaparecer dos grandes ecrãs. A última foi Sandra Felgueiras, que esta semana assina uma muito ilustrativa capa da revista Sábado.

Em boa verdade, a grande investigação passou agora para os on-line, de que é exemplo o PÁGINA UM. Aderi há pouco, e orgulho-me de ver tamanha resiliência.

A jornalista Sandra Felgueiras era o rosto televisivo de um último programa de grande impacto, o Sexta às 9. Emigrou descontente da grande terra da liberdade (que ainda é a RTP) para o grupo Cofina – que tem hoje o Correio da Manhã, fundado a 19 março de 1979 por um grupo de 15 jornalistas de que fiz parte.

Sandra Felgueiras

Vínhamos de A Luta comandada por Raul Rego e Vítor Direito, contra a asfixia da Imprensa imposta pelo PREC – Processo Revolucionário em Curso. Vítor Direito estivera no Diário de Lisboa (DL) e depois na República e de seguida em A Luta. Era um mago do jornalismo.

Um dia surpreendeu-me, tristemente, quando não quis reeditar o suplemento literário “A Mosca” do DL, porque era “dar pérolas a porcos” (sic). Ou quando, em Dezembro de 1980, não quis publicar a minha longa entrevista ao dissidente Altino Dias de Oliveira, onde ele denunciava o grupo terrorista PRP-BR de Carlos Antunes e Isabel do Carmo a roubar bancos, sem saber onde ia parar o dinheiro, e a planear o 25 de novembro. O Expresso agarrou e encheu a sua Revista.

Outros tempos.

printing machine

Agora, já desapareceu Felícia Cabrita, Ana Leal e aconteceu parcialmente com Alexandre Borges. Para citar três casos de jornalistas recentes e mediáticos. Mas não esqueçamos José Barata-Feyo [actual provedor do leitor do Público] ou a já falecida Margarida Marante, entre muitos.

O jornalismo de investigação necessita de leitores e espectadores interessados. Infelizmente, lê-se pouco, jantamos a olhar para as TV’s. E por isso a Imprensa perde financiamento independente.

Um dia destes ficamos a falar com a parede… do muro que está a cercar a nossa Democracia.

José Ramos e Ramos é jornalista (CP 214)


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Ficámos a saber, pelas notícias: “O lançamento da nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa”, titula o JN e com razão.  São ...