VISTO DE FORA

Caldeirada à Abrunhosa 

person holding camera lens

por Tiago Franco // setembro 28, 2022


Categoria: Opinião

minuto/s restantes


A minha memória não é grande coisa, e ainda bem. Tirando os repetidos escândalos na banca, que nos perseguem há mais de uma década, vou esquecendo tudo o que vou lendo ao fim de pouco tempo. Gosto de atribuir essa falha à minha memória, mas há a hipótese, também real, do volume de cambalachos em Portugal ser de tal monta que, se torna humanamente impossível guardar espaço de processamento mental para todos.

Parece que, a cada semana, temos mais um Mário Ferreira, mais um Rendeiro, um novo Vara, um aprendiz de Relvas. E antes que apareça o Leitor Provedor da Verdade a clamar por provas, adianto-me: tudo parece ser legal. É essa a beleza do nosso sistema. Tudo parece ser legal e, provavelmente, será.

Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial

Noticiou o Observador que duas empresas, detidas pelo marido de Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, receberam cerca de 133.000 euros dos fundos comunitários, de um total de 303 000 euros que foram entregues a Portugal.

Aparentemente, não há nada ilegal em receber dinheiro público de instituições tuteladas pela mulher. O comentador Sebastião Bugalho, sempre afoito na defesa de dinheiro público em bolso privado, dizia na CNN que um empresário em Portugal tem de recorrer a fundos europeus porque, cito, “há pouco capital no país”. E que, nesse cenário, não poderia ser prejudicado por uma simples certidão de casamento. O amor não olha a subsídios…

Compreendo o jovem Sebastião – e, aliás, pela primeira vez até consigo concordar com cinco palavras oferecidas por ele. De facto, há pouco capital em Portugal, mas, como se percebe, não afecta maridos de ministras. E é nesse ponto que estas histórias me deixam sempre intrigado.

stack of books on table

A apregoada meritocracia raramente chega às manchetes dos jornais. Já casos aparentemente legais e difíceis de compreender, na lógica da moralidade, são o pão-nosso de cada dia.

Só esta semana ficámos a saber da entrada no curso de Medicina da Universidade Católica de uma aluna sem média, mas filha de um benemérito… Perdão: um benemérito insigne. Os beneméritos ainda ficam à porta da Católica.

Entretanto, Paula Amorim, uma das herdeiras do império, dizia no podcast de Balsemão, com um violino triste ao fundo, que teve que abandonar os estudos aos 19 anos para assumir um lugar no Conselho de Administração da empresa do pai. O drama, o horror, o mérito dos genes de uma teenager que, coitada, começa pelo topo sem passar pelas etapas dos comuns mortais.

E agora temos uma empresa criada em 2020 pelo marido de uma ministra do centrão a conseguir receber, apenas dois anos depois, 133.000 euros de fundos comunitários. Parece aquela história do filho do Sérgio Figueiredo que, em menos de dois anos como empresário, já recebia um milhão de euros da Câmara Municipal de Lisboa presidida pelo amigo Medina.

Tudo isto será certamente legal. Obviamente, veremos os papéis que precisamos e alguma página do Código Civil nos dirá que tudo aquilo está óptimo.

Mas é um carrossel que nunca pára, não é?

A História de Portugal na União Europeia é muito isto. Em vez de se usarem os fundos comunitários para criação de riqueza – o que, aliás, enfim, era a premissa inicial –, escolhemos andar mais de três décadas a enriquecer uma elite com as maiores fatias do bolo, e largamos, aqui e ali, umas migalhas para o povo. Passámos a ser gestores de subsídios com os partidos do centrão a revezarem-se na distribuição pelas respectivas clientelas.

O português médio tem de passar o inferno burocrático para receber as esmolas anunciadas com pompa por António Costa em tempo de pandemia e/ou guerra.

Já a um marido de uma ministra ou a um filho de um director de uma televisão, basta-lhes criar uma empresa no Simplex, e passados dois anos começa a chover fundos comunitários. E nem sequer é o primeiro marido de uma ministra ou o primeiro filho de um director. E não serão os últimos…

close-up photo of assorted coins

O povo embrulha-se em sangue para não perder casa, salários mínimos ou para cumprir critérios que lhes permitam um apoio de 125 euros. E fazem-no massacrados por uma carga fiscal absolutamente incompreensível, sobretudo se pensarmos nos serviços que acabam por não ser disponibilizados em troca dessas contribuições.

Mas para quem está no sítio certo, no aparelho do poder e naquela minoria que vai, de facto, gerindo a riqueza que chega ao país, tudo isto são notícias de rodapé, vistas pelo canto do olho, enquanto se procura o saca-rolhas que abrirá uma reserva de 2009.

E que por mais coincidências com aspecto de escândalo, nós vamos continuar a encolher os ombros, e continuar a pensar como é que o Ronaldo falha aquela “merda” com a baliza aberta…

Tiago Franco é engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.