Recensão: Edifícios abandonados em Portugal

O fascínio pelas ruínas

por Pedro Almeida Vieira // Dezembro 25, 2022


Categoria: Cultura

minuto/s restantes

título

Edifícios abandonados em Portugal

autor

RICARDO RAIMUNDO

Editora (Edição)

Manuscrito (novembro de 2022)

Cotação

16/20

Recensão

Na última década, Ricardo Raimundo, agora com 41 anos, tem-se dedicado a divulgar, através da escrita de livros, vários e interessantes episódios da nossa vasta História. Começou em 2011, com Vidas surpreendentes, mortes insólitas na História de Portugal , continuous dois anos mais tarde com Escandalos da monarquia portuguesa e em 2014 com Os maus na História de Portugal , todos editados pela Esfera do Livro.

A partir de 2016 mudou de editora, para a Manuscrito, mas não de temáticas, sempre focadas em episódios mais ou menos conhecidos, todos rocambolescos, da nossa historiografia. Em fevereiro passado tinha publicado, na Manuscrito, a sua quarta obra nesta editora: Enigmas e mistérios da História de Portugal.

Agora, com Edifícios abandonados em Portugal , Ricardo Raimundo – que tem uma licenciatura em Filosofia e um mestrado em História Moderna – inflete de tema, mas não completamente. Na verdade, como confessa na introdução, neste novo livro dá asas ao seu fascínio sobre edifícios em ruínas ou abandonados, que lhe nasceu desde a infância, quando viajava com os pais e avós até Trás-os-Montes. Não por acaso, um dos 15 edifícios retratados – dir-se-ia esventrados no sentido de revelado – é o Solar dos Pimentéis, um palacete do século XVIII da aldeia de Castelo Branco, no concelho de Mogadouro, que tem a particularidade de possuir 365 portas e janelas.

O tema dos edifícios abandonados tem sido registrado – nem sempre com bons propósitos (eg, vandalismo) – um crescente interesse e curiosidade, por mor da aventura, mas esta obra de Ricardo Raimundo não tem, como propósito, mostrar através de imagens e fotografias aquilo que o tempo, esse grande destruidor, e a ação humana, ainda maior do que aquele, causaram em espaços outra de riqueza e esplendor.

De facto, embora todos os 15 edifícios tenham uma fotografia actual, a intenção de Ricardo Raimundo foi tão-só (e é muito bom nisso) contar a história, com todos os pormenores, da origem e evolução de cada um dos edifícios, e seus protagonistas, bem como as causas que levaram ao seu abandono e decadência, que, em muitos casos ainda se mantém, ou que levaram mesmo até à quase ruína.

Num estilo descomprometido, quase jornalístico, mas com rigor, apresentando uma quantidade colossal de detalhes interessantíssimos, temos aqui um livro de leitura bastante atractiva, sem sofrer de qualquer mácula de escrita hermética, como muitas vezes sucede em livros de divulgação escritos por especialistas em História . No entanto, a atender à longa lista bibliográfica – não apenas histórica, mas também da imprensa, para abordar o passado mais recente dos edifícios –, nota-se que Ricardo Raimundo fez um meticuloso trabalho de investigação.

Retratando, como se disse, 15 edifícios (e não apenas de habitação), também equilibrados se encontram a sua distribuição geográfica: Lisboa (dois, o Palácio da Quinta das Águias e o Pavilhão Carlos Lopes), Mogadouro, Caldas da Rainha, Carregal do Sal , serra da Arrábida, Porto, Coina, Braga, Caramulo, Sabugal, Vila Franca de Xira, Ponta Delgada, Almada e Sintra.

Lendo um “edifício” por dia – tarefa exequível, por enquanto cada capítulo tem entre uma dezena e duas dezenas de páginas – ficará a saber o bem que lhe fará um pouco de História e curiosidades, sobretudo quando se cruzar, um destes dias, com algum deles.

Em todo o caso, resta uma sensação de incompletude: este tema mereceria uma edição mais completa, com maior número de edifícios e uma apurada "cobertura" fotográfica (e iconográfica, se possível) para se chegar à perfeição. Assim, sabe apenas a aperitivo, mas dos excelentes.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

De que me vale a glória se não houver alguém reconhecendo a vitória? Se ninguém me encontrar, toda a vitória será ...

Nenhuma leveza na vida existe. Entre a pobreza e a riqueza, cada vida ambiciona subir e nunca descer, entre o caos ...