Novidades Literárias

Estante P1: Dezembro de 2022

view of floating open book from stacked books in library

por Redacção PÁGINA UM // janeiro 17, 2023


Categoria: Cultura

Temas: Estante P1

minuto/s restantes

Título

O livro do clima

Autora

Greta Thunberg (coord.) 

Editora

Objectiva

Sinopse

Organizado pela jovem ativista climática Greta Thunberg, O livro do clima é uma bíblia do ambientalismo e um manual para salvar (literalmente) o planeta.

Ainda é possível reverter esta situação. Mas temos de ser todos e tem de ser agora. Os discursos de Greta Thunberg abalam o Mundo. Com O livro do clima, ela criou uma ferramenta imprescindível para todos os que querem ajudar a salvá-lo.

Esta é a história mais importante do mundo, que tem de ser contada aos quatro ventos, que tem de ser ouvida tão longe quanto as nossas vozes alcançarem. Chegou o momento de contarmos esta história e, quem sabe, de mudarmos a forma como termina. Parece uma tarefa impossível assegurar um futuro viável para a vida na Terra, numa escala e velocidade nunca antes vistas, contra forças tão vastas e poderosas - não apenas magnatas do petróleo e governos, mas as próprias alterações climáticas. As probabilidades não estão a nosso favor e estamos a ficar sem tempo. Mas não tem de ser assim.

Por todo o mundo, geofísicos e matemáticos, oceanógrafos e meteorologistas, engenheiros, economistas, psicólogos e filósofos aplicam os seus conhecimentos para desenvolver um entendimento profundo da crise que enfrentamos. Em parceria com mais de uma centena de especialistas, Greta Thunberg criou O livro do clima, para nos equipar, a todos, com estes conhecimentos.

Em estreita colaboração com todos eles, Greta partilha a sua história de aprendizagem, denunciando a lavagem verde (greenwashing) com que somos manipulados e revelando a que ponto a Humanidade tem sido mantida na ignorância. Segundo Greta, aqui reside um dos nossos maiores problemas, mas também a nossa maior fonte de esperança. Quando nos são apresentados todos os factos, temos a capacidade de agir. Se uma greve iniciada por uma criança consegue provocar um protesto a nível global, o que conseguiremos, se tentarmos, a nível global?

O livro do clima demonstra como é de todos quantos estão vivos hoje a responsabilidade pelo momento mais decisivo da História da Humanidade e defende que, juntos, podemos o (aparentemente) impossível. Mas teremos de ser nós e terá de ser agora.

Título

Grande história visual da filosofia

Autores

Masato Tanaka e Tetsuya Saito

Editora

Marcador

Sinopse

Mais de 200 conceitos chave da filosofia ocidental explicados com imagens compreensíveis, frescas e inovadoras, que de um modo acessível iluminam processos mentais de grande complexidade e abstração.

De Tales a Derrida, passando por Schopenhauer, por fim a filosofia ao alcance de todos.

Título

Peste e cólera

Autores

Patrick Deville

Editora

Tinta da China

Sinopse

Yersinia pestis. Peste bubónica. Peste negra. São três nomes que significam o mesmo e que apontam para um outro: Alexandre Yersin (1863‑1943), discípulo de Pasteur, admirador de Livingstone e de Conrad, cientista brilhante que descobriu em Hong Kong o bacilo que recebeu o seu nome, salvando milhares de vidas.

É sobre ele, a sua vida e a imensa época em que viveu que se debruça este «romance sem ficção» de Patrick Deville: uma vida que, ao contrário do previsível, fugiu o mais possível aos laboratórios, levada por uma ambição de conhecimento que foi do microscópico à vontade de engolir o universo – entender o interior do corpo mas também as marés, os motores das máquinas e as raízes das plantas, a reprodução das galinhas e a distância das estrelas.

"Eis o que é este livro extraordinário: o puzzle de uma vida e de uma época. Os seus temas são grandes e é grande o seu protagonista e são grandes os cenários em que decorre, mesmo quando se revelam microscópicos. Mas era preciso que surgisse um romancista como Patrick Deville, explorador e viajante, para contar esta história como ela merecia ser contada., in Prefácio de Juan Gabriel Vásquez.

Título

Arrogância fatal: os erros do socialismo 

Autor

Friedrich A. Hayek

Editora

Guerra & Paz

Sinopse

Num brilhante manifesto, o filósofo e economista Friedrich A. Hayek, Prémio Nobel da Economia em 1974, analisa os erros do socialismo.

Para Hayek, os repetidos fracassos das diversas aplicações práticas das ideias socialistas resultaram dos erros factuais e lógicos que estão na sua origem.

Título

O domínios do  lobo

Autor

Javier Marías

Editora

Alfaguara

Sinopse

O primeiro romance de Javier Marías, publicado originalmente em 1971, quando o autor tinha apenas 19 anos, chega finalmente à língua portuguesa. 

Cinco décadas volvidas, cumpre brilhantemente o efeito de surpresa e descoberta que é apanágio dos grandes romancistas.
Transportando o leitor para os Estados Unidos da América nas primeiras décadas do século XX, Os domínios do lobo é uma homenagem ao tempo áureo do cinema de Hollywood e, simultaneamente, uma inteligente paródia. A narrativa compõe-se de uma sucessão de entusiasmantes aventuras que transitam do noir para o melodrama, das paixões bucólicas para a guerra civil americana, da intriga policial para as rixas de gangsters.

Considerado transgressor e exótico quando surgiu, este romance revelou desde logo a impressionante maturidade ficcional de Javier Marías, e a ironia fina e arrebatadora capacidade de efabulação que manteve ao longo de cinquenta anos de escrita. O manejo hábil da narrativa, a estrutura audaz e a desenvoltura romanesca trazem-nos um livro que se adiantou ao seu próprio tempo e foi precursor da mais vigorosa literatura contemporânea.

Título

A viúva

Autor

José Saramago

Editora

Porto Editora

Sinopse

Em 1947, José Saramago publicou o seu primeiro livro. Ao editor apresentou o manuscrito de A viúva, no entanto, uma das condições que lhe foram impostas para a publicação do romance foi a de que o título mudasse para Terra do pecado.

Assim ficou até aos nossos dias, sem que o autor tenha chegado alguma vez a conformar-se com a alteração.

No encerramento do centenário do nascimento do único Prémio Nobel de Literatura de língua portuguesa, a Porto Editora devolve ao seu primeiro romance o título original escolhido pelo escritor – A viúva –, deixando ainda a caligrafia da capa a cargo de Violante Saramago Matos, a sua única filha, nascida no mesmo ano em que José Saramago se transformou num autor publicado.

Romance de juventude e primeiro passo de uma admirável vida literária, A Viúva conta a história de Maria Leonor, mulher jovem e abastada em terras ribatejanas, a quem cabe viver não apenas o luto pela morte do marido, mas também a culpa por uma relação que desafia um tempo em que as aparências pesam demasiado e no qual todas as ações têm um preço.

Título

Cuéle: o pássaro troçador

Autor

Jorge Arrimar 

Editora

Guerra & Paz

Sinopse

Fruto de uma pesquisa linguística e cultural notável, Cuéle: o pássaro troçador, o novo romance histórico do poeta e escritor angolano Jorge Arrimar, resgata do esquecimento factos e figuras – com mais ou menos relevância no espaço público – que escreveram a história do Sudoeste angolano, ao mesmo tempo que reflecte o riquíssimo legado da miscigenação do português com as línguas nativas.

Um trabalho literário de grande fôlego para conhecer a partir do próximo dia 22 de Novembro, numa edição Guerra e Paz, com o apoio do grupo angolano O Regente e da Academia de Autores da Huíla. Além da rede livreira nacional, a obra poderá também ser adquirida através do site da editora.

No centro deste Cuéle: o pássaro troçador, o novo romance de Jorge Arrimar, está António José de Almeida, um dos mais relevantes moradores do Humbe e da Chibia, nascido em Caconda (1856), numa manobra que o autor classifica de «resgate literário ao esquecimento». Recuando à infância, o autor afirma: "José António Lopes foi-me descrito como um notável e corajoso morador de vários locais do planalto, entre o Lubango e o Humbe, oficial de 2.ª linha (civil que, graças à reconhecida coragem, podia ser chamado a servir em combate), homenageado com as mais altas condecorações do Estado. António José de Almeida foi referido como o homem mais rico do Sul de Angola na sua época, 'rico em riquezas materiais, mas ainda mais em riqueza humana', sublinhava meu avô."

Este resgate estende-se a muitas outras personagens, sejam elas moradores de povoações e vilas ou elementos das sociedades tradicionais, num texto – pontualmente visitado pelo cuéle, "o pássaro de canto trocista que persegue os nossos fracassos e contradições» – em que a história se mistura com a ficção, fazendo da realidade apenas um ponto de partida para a literatura. Mas é com o hamba Nande, do Cuanhama, que, diz Arrimar, «este livro se dá à leitura, numa viagem onírica que, é, afinal, a condensação metafórica dum tempo em que esta narrativa se amarra". 

A obra, que nasceu da exaustiva recolha de "precários vestígios escritos ou conservados apenas na oralidade", inclui algumas notas históricas para contextualização da leitura e um glossário final com os termos originários de línguas nativas africanas, como o africânder, ambó, ganguela, herero, kimbundo, nhaneca e umbundo, mas também, por exemplo, do tupi, de origem brasileira. Inclui ainda um elucidário iconográfico, com fotografias de grande valor histórico, de pessoas e de espaços naturais e urbanos que foram relevantes para a construção da narrativa.

Uma homenagem ao património histórico, cultural e linguístico das gentes do Sudoeste angolano, Cuéle: o pássaro troçador é o primeiro romance de Jorge Arrimar com a chancela da Guerra e Paz. Além de autor de onze títulos de poesia e seis de ficção, o poeta e escritor angolano é ex-director da Biblioteca Nacional/Central de Macau e, quando aí vivia, os seus méritos foram distinguidos com a Medalha de Mérito Cultural, pelo governador de Macau.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Quase sempre a coloração do fantástico, em Fialho de Almeida (1857-1911), manifesta-se em regime realista, sob duas formas hiperbólicas dos traços ...