VISTO DE FORA

Mixórdia de temáticas

person holding camera lens

minuto/s restantes


1 – Acho sempre uma péssima ideia começar um debate com o argumento que do outro lado está alguém ignorante. Assim sendo, vou partir do princípio que Inês Pedrosa, quando disse que preferia Navalny, “o mártir heróico”, a Che Guevara, sabia quem eram as duas personagens que estava a comparar. Todos temos direito à nossa opinião e, por isso, respeito a de Inês Pedrosa. A minha é que ela disse um disparate em horário nobre da RTP3. No caso dela, um entre muitos que habitualmente vem dizendo desde os tempos da pandemia. Antes disso, não sei porque não lhe prestava atenção.

Navalny veio para a ribalta por ser um opositor à ditadura de Putin, usando a guerra da Ucrânia como arma de arremesso para a sua posição de “defensor da democracia”. Nós, e por nós quero dizer o eterno moralmente superior Ocidente, corremos a abraçar a causa de Navalny seguindo aquela lógica do “inimigo do meu inimigo, meu amigo será”.

Alexey Navalny

Ora, não é propriamente o caso aqui. Os próprios ucranianos, de quem Navalny seria, em teoria, um amigo, referem-se a ele como um adepto do imperialismo russo, da anexação de partes da Ucrânia, da não-entrada na NATO e, ainda, com uma longa história de nacionalismo, xenofobia e pureza da raça, como disse à Time a professora da Universidade McGill Maria Popova. Em resumo, Navalny é apenas outro Putin que queria fazer o mesmo que o original, mas com uma ambição tal que, de facto, aceitou correr risco de vida para tomar o poder.  A figura de quem, como Inês Pedrosa, tenta transformar este homem num democrata, é semelhante à de Ursula Von der Leyen quando trocou o gás da ditadura russa pela ‘democracia’ azeri. 

Temos um ditador no poder que mandou matar outro ditador em potência. Faz parte, infelizmente, da História Russa há 100 anos. É uma chatice, mas é o que é. Meter o Che Guevara no meio disto até me fez soltar um ou outro vocábulo mais rudimentar.

2 – Em 2022 escrevi que este modelo de debate ‘express’ entre todos os líderes não beneficiava o estilo de Ventura. Quer dizer, não beneficiava ao fim de um certo tempo, que, na minha opinião, já passou. Interromper todo e qualquer raciocínio e apostar tudo em ataque pessoais, serve para um partido de protesto, mas é pouco para quem quer ser levado a sério e chegar ao poder. Três ou quatro anos depois, já todos conhecem os truques, e sobra a Ventura, se quiser passar da falange clássica de apoio ao Chega, começar a apresentar as ideias que não tem. Em todos os debates tentou a mesma estratégia de usar e abusar do ataque pessoal. Entre mentiras, populismo e factos com pouquíssimo interesse para as eleições, saiu dos debates a mendigar por uma aliança governativa que, aparentemente, ninguém quer aceitar. O Chega subirá, e muito, mas parece estar preso a uma cerca sanitária imposta pelo resto da direita, à qual estratégia de Ventura não parece ter conseguido dar a volta. Aliás, entre esquerda e direita, o único ponto comum ao fim de duas semanas de debates parece ter sido que o Chega é o parceiro com quem ninguém conta. Até Luís Montenegro, algo que honestamente me surpreendeu.

O exemplo mais clássico, na minha opinião, de uma estratégia falhada, apareceu no debate com Rui Tavares onde, em vez de se discutirem soluções para a Educação, se passou o tempo a falar da escola privada dos filhos do líder do Livre.

Como se uma pessoa precisasse de ter os filhos na escola pública para a defender. Ou nunca ir a uma clínica privada para defender o Serviço Nacional de Saúde. Ou não andar de avião para defender a ferrovia. Este tipo de discurso, e até de devassa da vida privada, é exactamente uma das razões para os melhores não quererem ir para a política. São salários baixos e uma exposição doentia, ao ponto de chegar à humilhação pública que, bem feitas as contas, se tornam absolutamente desnecessárias para quem tem carreiras sólidas nas respectivas áreas profissionais.

Sobram-nos por isso artistas como o Ventura. É seguir, cantando e rindo.

3 – Na Ucrânia chegámos ao ponto clássico das guerras alimentadas pelos Estados Unidos. Há sempre aquele momento em que desaparecem do radar como se nunca lá estivessem estado, deixando os locais entregues à sua sorte. O exército russo já teve milhares de baixas e o seu enfraquecimento é real, portanto, um dos objectivos de Washington está conseguido. As sanções produzidas pela União Europeia, por outro lado, pouco fizeram pela Economia russa que cresceu 3,2%. Agora, nesta fase de desespero, em que a Europa não tem armas para dar a Kiev, os russos vão fazendo o que querem, e alguns países, como a Alemanha, começam a tratar do seu próprio arsenal, antevendo o que aí virá.

Há quase dois anos que repito isto, e volto a dizê-lo: acabaremos por negociar de qualquer forma os terrenos que passarão da Ucrânia para a esfera russa, mas, fá-lo-emos em muito piores condições e com muito mais mortes. Não sei se se lembram mas quem dizia há dois anos o que está a acontecer agora e o que a Europa será forcada, com maiores custos, a fazer, era apelidado de putinista. Desde o primeiro dia que sabemos que a invasão russa só se resolveria de duas formas: na mesa das negociações ou numa Terceira Guerra Mundial.

Uma última nota sobre o formato da crónica desta semana: espero, até imploro, que Ricardo Araújo Pereira não me processe por usar um título que lhe pertence. Ainda pensei em usar uma frase como, por exemplo, “dizer o que não foi dito” para título deste pout porri” de temas, mas tive algum receio. Uma coisa é brincar com um humorista que tem o dom da palavra, outra é meter-me com um cantor que não canta. Ainda me mandava, olhem, Talvez Foder, que também deverá ter sido por ele patenteado.

Tiago Franco é engenheiro de desenvolvimento na EcarX (Suécia)


N.D. Os textos de opinião expressam apenas as posições dos seus autores, e podem até estar, em alguns casos, nos antípodas das análises, pensamentos e avaliações do director do PÁGINA UM.


PÁGINA UM – O jornalismo independente (só) depende dos leitores.

Nascemos em Dezembro de 2021. Acreditamos que a qualidade e independência são valores reconhecidos pelos leitores. Fazemos jornalismo sem medos nem concessões. Não dependemos de grupos económicos nem do Estado. Não temos publicidade. Não temos dívidas. Não fazemos fretes. Fazemos jornalismo para os leitores, mas só sobreviveremos com o seu apoio financeiro. Apoie AQUI, de forma regular ou pontual.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Após os funestos acontecimentos da passada semana, soubesse eu tocar mais do que campainhas de porta – e já pouco treinado ...