RECENSÃO - SÉRIE DE TELEVISÃO

Kaleidoscope

por Bernardo Almeida // janeiro 15, 2023


Categoria: Cultura

minuto/s restantes

Título

Kaleidoscope (2023)

Género

Policial: Filme de assalto

País de origem

Estados Unidos da América

Plataforma

Netflix

Criador

Eric Garcia

Autores principais

Giancarlo Esposito; Rufus Sewell; Paz Vega; Rosaline Elbay; Jai Courtney; Tati Gabrielle; e Peter Mark Kendall

Nota

8/10

Recensão

Estreou no primeiro dia do ano, na plataforma Netflix, a série de acção Kaleidoscope, centrada no assalto a um banco impenetrável.

Com oito episódios, criada por Eric Garcia – argumentista de filmes como Repo Man (2010) e escritor de livros como Matchstick Men – esta é uma aposta inovadora pela possibilidade de poder ser visualizada pela ordem que a audiência quiser, criando assim uma interacção com o espectador em que este participa na forma como o drama se desenrola.

Conta nos principais papeis com Giancarlo Esposito – actor que depois do seu papel de Gus Fring na série Breaking Bad (2008-2013) já não precisa de qualquer apresentação –, e também do actor britânico Rufus Sewell – que, entre outros papeis como actor secundário, é um dos protagonistas do drama The Man in the High Castle (2015), produzido pela Amazon Prime.

Por detrás do tema do clássico assalto ao banco, esta história tem subtemas importantes como a vingança, a traição ou a família, que, pela forma como se desenrola a trama, fazem a um qualquer espectador ficar vidrado no momento e querer mais.

Se a isto juntarmos as brilhantes trilhas sonoras, em tons de rock & blues que muitas vezes parecem diegéticas, somos como transportados para dentro deste mundo, cheio de voltas e contravoltas, num ritmo que, apesar de descontínuo – devido ao formato dos episódios –, rapidamente volta a seduzir.

Temos assim oito episódios que podem ser consumidos de uma forma ou de 40 ou até de 40.320 formas diferentes, o número de sequências matemáticas possíveis. Assim se começa o ano, e começa bem.

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores

Gostou do artigo? 

Leia mais artigos em baixo.

Quase sempre a coloração do fantástico, em Fialho de Almeida (1857-1911), manifesta-se em regime realista, sob duas formas hiperbólicas dos traços ...